quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Entrevista de Lagerfeld na Veja e suas Criações para Melissa!

A entrevista com Karl Lagerfeld na última edição da revista Veja está ótima! Super bem-humorado, o estilista de 79 anos contou sobre sua rotina corridíssima: ele desenha catorze coleções por ano (Chanel, Fendi e sua própria), além de ter parcerias com diversas outras empresas.

Ele conta como revitalizou a Chanel após entrar na marca, em 1982, usando toques atuais nas peças clássicas da maison e transformando-a na grife mais desejada do mundo. Também achamos interessante que ele não vê o estilista como um artista, e diz que moda é algo necessário, e não é para quem está pensando em ficar acomodado, pois exige muito tempo e esforço!

Além de falar sobre o trabalho, ele conta sobre sua vida pessoal, e suas opiniões a respeito de assuntos controversos, como o casamento homossexual. Apesar da revista Veja não ser sobre moda, a entrevista é super divertida, e imperdível para quem quer entrar no mundo da moda!

Outra novidade sobre Largerfeld é a parceria com a Melissa: ele desenhou 4 modelos, que serão lançados em Março. Dê uma olhada nos croquis, abaixo!


Principal modelo da coleção, chamado Ginga


Modelo com salto em formato de casquinha de sorvete!


Sapato fechado, com versões em preto, cinza, bege, azul fosco e bordô


Sapatilha de bico fino com pérolas, super Chanel

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Mostra Anos 70 no Münchner Stadtmuseum, na Alemanha

Olá, parceiros de moda! Mais novidades trazidas por Marilene Veiga, a fundadora da CoutureLab, em suas viagens pela Europa! Ela recém voltou da Alemanha, aonde ela visitou o Münchner Stadtmuseum, que está realizando uma mostra só com roupas da década de 70, chamada "Uma Questão de Gosto: Moda dos Anos 70"! Infelizmente, não era possível tirar fotos da mostra, mas em compensação, estava à venda um maravilhoso livro com fotos de todas as peças. Ele está disponível aqui, para todos os alunos da CoutureLab que quiserem dar uma folheada! Vocês também podem dar uma olhada no website do museu para saber um pouco mais sobre a mostra!

Abaixo, algumas imagens contidas no livro, com as roupas super originais e coloridas que eram usadas na época! Adoramos!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Mercado de Moda Gaúcho

Mercado da Moda A CoutureLab começa nesta semana a lançar posts informando sobre o mercado da moda. Serão informações de suma importância para quem deseja trabalhar neste mercado ou já desenvolve suas atividades. O primeiro texto abordará sobre a mão de obra.

O Rio Grande do Sul está, atualmente, em primeiro lugar entre os estados da federação que mais possuem cursos de graduação em moda. São 14 cursos nas mais diversas instituições e em diversas regiões do Estado. Existe uma concentração dessas instituições na Capital e região metropolitana do Rio Grande do Sul, por possuir esta região uma maior concentração de estudantes em potencial.

Diante deste cenário, cabe uma pergunta: se cada curso formar uma gama de 10 pessoas por semestre - número bem baixo para uma instituição de ensino - como o mercado irá absorver esta mão de obra qualificada? Se olharmos o mercado como um todo e a matriz produtiva têxtil atual verificaremos que não existe lugar para todos.

Hoje existe pouca produção industrial na área de moda no Rio Grande do Sul. Recente pesquisa da ABIT – Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção – mostra que o Estado encontra-se em 7º lugar no ranking nacional de produção na área, com míseros 3,3% do que é produzido, atrás de São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Paraná, Ceará e Rio de Janeiro.

Como um Estado que tem o maior número de cursos de graduação na área está nesta posição? É muito simples: nossa matriz têxtil privilegia o que é confeccionado fora, somos um Estado de consumo e não de produção. É mais fácil para os lojistas buscarem produtos de outros mercados, em especial São Paulo e Santa Catarina, ou até mesmo da China, que produzir aqui.

Cabe a nós, participantes desta matriz produtiva, alterarmos este panorama. Empresários, estudantes, profissionais, docentes, e entidades que se relacionam com o mercado da moda precisam ter sua parte nesta guinada. O maior perigo desta realidade é deixar que o mercado da moda gaúcha entre em colapso, tornando os gaúchos meros consumidores, não trazendo benefícios para o consumidor que estará bitolado a comprar o que o mercado externo empurra. Além disso, o empresariado da indústria não terá retorno de seu investimento e os profissionais e as demais empresas que fornecem insumos para o setor - lojas de tecidos e aviamentos e até as instituições de ensino - não terão um mercado que os absorva.

Este primeiro post não busca desmotivar ninguém, mas servir de reflexão para que tomemos consciência do nosso papel na matriz produtiva do mercado de moda e, a partir disso, possamos mudar o rumo, fazendo com que o mercado reaja e comece a evoluir novamente.

Texto Produzido por Carlos Veiga

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Matéria: O Apagão de Mão de Obra na Indústra de Costura

Bom dia, parceiros de moda! Nós somos assinantes da revista Costura Perfeita, e na última edição, número 71, encontramos uma matéria que vai interessar a todos: "Apagão de Mão de Obra: O Que Fazer com esse Problema?".

Ela trata sobre a preocupante falta de mão de obra qualificada na indústria da moda, e mostra os pontos de vista de três grupos diferentes: as indústrias, as costureiras, e as escolas de moda. Uma leitura imprescindível para quem pretende entrar no mercado de moda!

Leia aqui a matéria completa: http://www.costuraperfeita.com.br/edicao/18/materia/especial.html